O Vitorioso – superando os obstáculos da prática interior (parte 3/3)

O tema deste mês é sobre obstáculos e vitória. Quando tratamos da nossa realização interior, de irmos de encontro à nossa essência, a palavra vitória tem uma conotação diferente da usual. Não se trata da vitória sobre um agente externo onde existe um vencedor e um perdedor – um conflito. Deixemos de lado a dualidade. A vitória interior é um estado mental de quem já está rendido, que se abstém de nutrir uma batalha. Lao Zi dizia que o sábio não pode ser vencido porque ele se recusa a usar a violência e porque o seu ego está abandonado. O ego do vitorioso já está entregue e, por isso, ele segue invicto. Por estar vencido de antemão, o Universo o coloca em primeiro lugar.

Ora, se o ego é o que nos distancia da nossa essência ilimitada, se nós o abandonamos, nada mais nos separa dessa dimensão e tudo está bem. A vitória é o estado de conexão entre consciência e o Tao, conexão que nunca deixou de existir, mas que, devido às criações do ego, nos sentimos desconectados – somos derrotados pelas ilusões mentais. O que significa isso em nosso cotidiano? Quando o ego está vencendo, nós nos fechamos em uma realidade e desconsideramos tudo mais. Quando estamos empolgados, orgulhosos e envaidecidos, nos sentimos inflados e nem percebemos como o ego está nos dominando. Outrossim, as angústias emocionais também se devem aos assuntos do ego estarem em primeiro lugar. Sim, uma pessoa angustiada, deprimida, preocupada ou temerosa está cuidando de seus próprios interesses e deixando de viver o momento. Ela está sendo derrotada pelo ego ao supervalorizar os seus interesses e suas idealizações. As suas exigências dominam o seu sossego, pois há uma comparação entre o que ela quer e o que a realidade pode oferecer, fazendo-a sentir-se para baixo. A realidade negativa que o ego lhe mostra se concretiza ainda mais através dos fatos que vão sendo criados através do seu estado mental vicioso.

Quando nós praticamos a humildade, nós esvaziamos o ego. “Derrotamos o inimigo” – na verdade, o ego é uma ilusão e, portanto, não há inimigo a ser derrotado. Isso consiste unicamente em estar presente e fazer o que deve ser feito. Só! Doar o seu corpo e a sua mente para servirem ao presente. Quando você está trabalhando com entusiasmo, não fica criando expectativas ou exigências que só deixam o ego mais excitado. Ao estar presente, você está sendo vitorioso. Lembre-se: todo o incômodo, todo o problema surge por você não fazer o que o momento pede. Você está colocando algo a mais entre a sua consciência e o presente – uma ilusão. Por isso, se sente desconectado e sente que algo está faltando.

A meditação nos leva a remover esse obstáculo que interpõe-se entre a consciência e a realidade. Ao se observar a respiração sem qualquer conceito e sem qualquer exigência, a mente deixa de receber combustível para as suas criações. O obstáculo que ela usa para interpor a nossa conexão com a nossa essência vai perdendo força e então a consciência vence. O ego, que sempre foi apenas uma ilusão, é reconhecido como tal.

Marco Moura

Marco Defensor de Moura
Acupunturista, prof. de Meditação, Tai Chi e Kung Fu
Centro Cultural Tzong Kwan, Vila Mariana, São Paulo

Treinos do 道DAO - práticas orientais.
Meditação Online - cultivando a mente original.
#TaiChiSampa - incentivando a cultura do Tai Chi.

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *