Chi Kung

Chi Kung

Exercícios energéticos chineses para o equilíbrio de corpo e mente

– aulas: – 2ª e 4ª-feira: 18h45 às 19h30.
– 3ª e 5ª-feira: 8h às 8h45.
– Sábado: 8h às 9h15.

No Centro Cultural Tzong Kwan, oferecemos a prática de Chi Kung com a opção de modalidade independente ou associada à aula de Tai Chi Chuan. No primeiro caso, para o público interessado nas propriedades energéticas, terapêuticas e meditativas do Chi Kung, oferecemos uma aula de 45min com sequências variadas de exercícios. Já para aqueles que querem dar continuidade na prática da arte marcial interna do Tai Chi Chuan, o aluno participa da mesma aula e, a seguir, de mais 25min destinados ao aprendizado e treinamento das formas marciais.

Dentre as práticas inclusas, temos treinos variados:

  • Treino das 12 sedas;
  • Baduanjin (8 brocados de seda);
  • Chi Kung taoista de Huashan – iniciante, intermediário e avançado;
  • Meditação dos 6 sons de cura;
  • Zhan zhuang (posturas do tronco);
  • Tai Chi Chi Kung;
  • Série das 9 dobras (treino das articulações);
  • Chan Tsin Ba Fa (treino sentado dos tendões);
  • Yi Jin Jing (método de transformação dos tendões);
  • Treinamento budista de ativação de pontos vitais para a saúde;
  • Nei Gong (treinamento interior).

Dao Gong Quan - Tai Chi Pai LinProfessor: .
Fisioterapeuta, acupunturista e artista marcial com 27 anos de prática. Professor de Kung Fu estilo garra de águia, Chi Kung e Tai Chi Chuan (estilos Pai Lin e Chen).

Dias e horários:
– Turma matutina: 3ª e 5ª-feira: 8h às 8h45.
– Turma noturna: 2ª e 4ª-feira: 18h45 às 19h30.
– Sábado: 8h às 8h45.

MatrículaInscrições abertasCentro Cultural Tzong Kwan: Rua Rio Grande, 490, Vila Mariana, São Paulo.


Saiba mais

Qi Gong no Templo Tzong Kwan em São PauloO Qì Gōng 氣功 (Chi Kung) é um conjunto de práticas chinesas para o cultivo da energia vital. O termo Qì (chi) se refere ao sopro vital, ou seja, à energia que permeia todo o universo, que nos nutre e nos dá vida. Gōng (kung) significa “treinamento”. Desse modo, sua tradução literal é “treinamento da energia vital”.

O treinamento de Chi Kung compreende a execução consciente de movimentos aliados à respiração que visam promover a harmonia e a saúde. Seus efeitos terapêuticos não se restringem unicamente à saúde física, pois sendo fundamentado na medicina tradicional chinesa e na filosofia taoista, trabalha de forma integral corpo, energia vital e mente.

Qì (energia vital)
Tudo no universo está interconectado como parte da mesma matriz energética, variando apenas no tipo de manifestação dessa energia. Em sua forma densa, o é matéria palpável; na forma sutil, é energia etérea. Para o funcionamento do nosso organismo, adquirimos o externo através do ar e dos alimentos. Aprofundando nossa respiração, mais é absorvido e direcionado aos órgãos internos. As posturas também são muito importantes na prática, pois o correto alinhamento do corpo e o relaxamento muscular promovem o fluxo harmonioso do . Através da prática do Qì Gōng, aprendemos a absorver e a circular a energia. Os movimentos são em sua maioria suaves e circulares, pois o ritmo energético da natureza flui em movimentos espirais.

Objetivo da prática
A intenção das práticas taoistas é a integração da consciência do homem à natureza, ou seja, a fusão integral do homem (microcosmo) ao Dào (macrocosmo). Dessa forma, quando o Qì Gōng é praticado de forma plena, notamos melhoras globais na estrutura do nosso ser. O Qì Gōng é uma disciplina que não se limita ao momento da prática, podendo fazer parte da atitude diária consciente. É uma ótima ferramenta para o autoconhecimento, uma vez que passamos a sentir o nosso corpo interiormente e aprendemos a interagir conscientemente com a nossa energia.

Emprego do método
O Qì Gōng é utilizado na prática terapêutica como um dos pilares da Medicina Tradicional Chinesa na harmonização do corpo e da mente. Outra utilização do Qì Gōng é nas artes marciais. Melhora o autodomínio do praticante e a sua força interna, possibilitando canalizar a sua força e gerar resistência. O princípio da pulsação energética é empregado tanto no Tàijíquán como no Kung Fu. O Grão-Mestre de Tàijíquán Feng Zhiqiang recomenda a prática do Qìgōng ao invés do Tàijíquán se tiver que optar por um deles, pois no Qì Gōng os benefícios para a saúde são mais rápidos. No Kung Fu, o praticante que domina o Qì Gōng pode direcionar a energia no seu corpo ganhando mais força e resistência. Seus golpes se tornam mais potentes e seu corpo resiste a duros golpes.

Importância na prática terapêutica:
A Medicina Tradicional Chinesa (中医 Zhōng Yī) possui quatro pilares:针灸 Zhēn Jiǔ – Acupuntura e Moxabustão; 推拿 Tuī Ná – Massagem chinesa;中药学 Zhōng Yào Xué – Fitoterapia; – 氣功 Qì Gōng – Exercícios terapêuticos.

O Qì Gōng é utilizado para benefício tanto do terapeuta quanto do paciente. Ele é fundamental na prática terapêutica, já que há uma troca natural de energia entre terapeuta e paciente. Se o terapeuta não tiver um meio para preservar o seu campo energético, para se reciclar e reabastecer a energia perdida, seus recursos não serão duradouros. Quando a nossa energia vital é requerida e não a temos o suficiente, o nosso reservatório de energia ancestral é utilizado, o que significa uma perda irreparável. Os efeitos disso são sentidos com o tempo. O terapeuta pode utilizar o Qì Gōng de modo:
– Quantitativo, aumentando o seu reservatório de e impedindo que ele se esgote;
– Qualitativo, transmutando o nocivo, movimentando e harmonizando o nos meridianos.

Todo esse conjunto proporciona ao praticante maior consciência do seu campo energético. Aprendendo a sentir a própria energia e a interagir com ela, é possível melhorar a saúde através do desbloqueio energético, aumentar a resistência corporal, aprimorar a concentração, etc. O praticante de Qì Gōng passa a experimentar uma maior integração consigo mesmo e com a natureza.